terça-feira, 30 de junho de 2009

Pouco mais que menino...

Gigante de Goya

Pouco mais que menino, tornarei público o teu diálogo, pois quando acreditei que havia encontrado um caminho, o chão começou a se abrir e desde então me engole lentamente.
Com um pouco de sorte, se um dia te ausentares, ficarão marcas possíveis de cicatrizar, como a maioria das marcas que trago comigo até agora. Marcas, essas tão profundas, a fazer da minha prudência a minha mordaça. Uma paralisia prudente que deixa para amanhã tudo o que devo ao dia de ontem. Abrupta e intempestiva quisera eu ser, na necessidade de te dizer, sem precisar explicar...
Pouco mais que menino, ou segundo o próprio, ...'um homem que sustenta um amor com ombros de gigante...'.
Pouco mais que menino, não por mais tempo sustentarás sobre os ombros um fardo de amor, como o de um Sísifo exaurido. Generoso, na sua maneira mais precisa e segura, tens consigo uma luz suave e cuidadosa, capaz de remover, a cada gesto ou pensamento, a 'pedra de uma tumba', esquecida.
Pouco mais que menino, 'tentando ser homem perfeito' àquelas que são meras meninas, e enquanto isso... Onde andará a dama 'romântica e inteligente' para inspirar-se e inspirar-te no seu 'conhecimento filosófico e científico? Onde estará ela, a desejar dançar contigo ao som das tuas poesias'? Onde andará a dama que te guiará ao 'caminho das pedras'? Onde andará aquela que 'não te deixará de lado com a metafisica'? Será ela generosa o suficiente para compartilhar contigo 'a moral, alem de Kant', ou de quem quer que seja? Ou será ela, de tal modo, perspicaz para conduzir ao teu lado os argumentos e relações de um discurso de frequência e lógica?
Pouco mais que menino, a sua ausência, em algum lugar pouco distante, é sentida.
Pouco mais que menino, apressa teus passos, antecipa tua chegada, fixa tua presença e cancela tua partida.
Em algum momento, pouco mais que menino, já encontrastes tua dama e será fácil reconhece-la no caminho, desde que estejas verdadeiramente disposto a percorre-lo, acompanhado dela, durante toda a tua existência.
.
Esse Cara (Caetano Veloso )
"...Ah, esse cara tem me consumido
A mim e a tudo que eu quis
Com seus olhinhos infantis
Com os olhos de um bandido...
Ele está na minha vida
porque quer
Eu estou para o que der e vier
Ele chega ao anoitecer
Quando vem a madrugada
Ele some
Ele é quem quer
Ele é um homem e eu sou apenas uma mulher..."

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Amor Menino...

Nossa! Não há nada de meu aqui...
Venho apenas parafrasear algumas coisas que já não sei se são sermões de Padre Antônio Vieira ou lúcidos delírios de Rotterdam à sua deusa "mor".
Enfim, na minha inconstância de pensamentos e momentos desencadeei minha pandorinha, no fundo já sem a esperança, apenas para alertar que Deus, sabiamente fez o amor menino. Gasta-se com o uso, e é como as linhas que partem do centro para a circunferência, que quanto mais continuadas, tanto menos unidas. Note, desenhe, visualize esta metáfora.
Afirmo: "...gasta-se o ferro com o uso, que dirá corações de cera..." (ou de carne?! ou gelo?!...)
O amor é sabiamente menino porque não há garantia nenhuma de haver durado muito.
Um dos citados já dizia que "ter amado muito é a causa de amar menos".
No meu caso, para tantos, o meu muito foi pouco. O mesmo pouco, porém, que a tantos outros bastaria, e há ainda os quais nem este muito ou este pouco conhecem.
São certas as reflexões que trouxeram Pe. Antônio Vieira e Rotterdam ao meu pensamento.
No Sermão do Mandato, Vieira refere-se as quatro ignorâncias que podem acomenter o amante ao amor diminuto, imperfeito e desmerecido.
Alerta-te pois elas são: "...ou porque não conhecesse a si; ou porque não conhecesse a quem ama, ou porque não conhecesse o amor; ou porque não conhecesse o fim onde há de parar, amando."
Pe. Vieira também menciona o amor de Cristo, e o seu calvário:
"Fez das ofensas obrigações e dos agravos motivos."
O amor é portanto, tudo presente em mim. Ele sou eu e o que os gregos chamam "Moria".
Agora, que sabes o nome, podes esboçar-me com palavras, sem fingimento ou dissimulação.
Despeço-me aqui, tal qual fez Rotterdam em 1508, dirigindo-se ao seu sapientíssimo amigo Thomas: "Defendei cuidadosamente esta Loucura que vos pertence!"
Bjos no seu coração.

Perdão, Quixote!



"...haverá um céu azul..."

assim como o amor não sabe a força que tem
você não sabe a importância que você tem!
Bjos no seu coração.

Carinhosamente,

"Petite Fleur" (rsrs...)

domingo, 28 de junho de 2009

Mulher Bem Amada

"Me desculpem aqueles que acreditam que mulher feliz é mulher bem resolvida na cama. Mulher feliz é mulher bem amada. Porque sexo é algo fácil de conseguir, mas amor já é outra história.
Para “se dar bem na cama” basta a mulher encontrar um "cara" que saiba o caminho das pedras, que “o lance” rola que é uma maravilha.
Se "bobear" é bem provável que a melhor transa nem tenha sido com você. Já parou para pensar nisso?
Sim, pode ser que “o cara” que a fez morder a fronha tenha sido um simples amor de verão. Mas não se preocupe, porque ela jamais irá contar este segredo enquanto te amar. E não se preocupe, porque uma mulher quando ama e se sente amada, acaba fazendo deste amor um tudo em sua vida.
Então pode ter certeza que para ela você será o “O Cara”. Aquele que com um simples toque consegue fazê-la gozar. E ela goza porque vem do coração, daquela coisa de olhar dentro dos olhos e ver como ela se sente feliz. Só que não adianta ficar feito um "bobão", repetindo o tempo todo “Eu te amo! Eu te amo, meu amorzinho”, porque muito mais que ouvir, as mulheres precisam sentir que são amadas!
Não existe nada mais chato para uma mulher do que ter que repetir pela milésima vez:
“Sim, meu amor, eu sei que você me ama!”.
É preciso mimar, ser gentil, e a melhor forma é fazer com que saiba que está sempre em sua mente e coração. Mimar é surpreender com pequenos gestos, que por mais que pareçam insignificantes para você, para uma mulher faz toda a diferença.
Por mais que as mulheres gostem de falar, colocar pra fora o que sentem, basta um simples bilhetinho, deixado do lado do seu travesseiro ou dentro da agenda, com um coração desenhado para entenderem o que você quer dizer.
E veja como as coisas são interessantes: justo você, que sempre teve uma grande dificuldade em falar "eu te amo" e nunca soube como convencê-la de que ela é a mulher de sua vida, com um pedacinho de papel de pão, com um desenho mal rabiscado, será capaz de dissipar boa parte de suas dúvidas.
E quando estiverem na fila do cinema, esperando em uma fila enorme, tente sussurrar em seus ouvidos algo como "a cada dia eu te amo mais...”.
Mas tem que ser assim: mantendo a pose, sem dar uma de afetado, olhando para a frente, como se aquilo que acabou de falar fosse a coisa mais simples deste mundo.
Ah, meu amigo, saber que é amada em momentos tão sem importância faz com que uma mulher se sinta nas nuvens. Sim, eu sei que uma declaração de amor, fazendo cara de santinho é muito fácil, mas isso é muito comum! “O lance” é surpreender!
Isso quer dizer que não é para repetir a dose o tempo todo!
O que deixa uma mulher mais balançada: um presente no dia do seu aniversário, ou uma grata surpresa num dia qualquer?
Como ela se sentiria se, depois de chegar em casa, cansada, depois de um dia péssimo de trabalho, achando que aquele seria mais um dia monótono como os outros, você aparecesse com um lindo presentinho, algo que, mesmo simples, há muito tempo ela queria tanto?
Só um grato sorriso de mulher amada já faz valer o esforço!
E não bastam presentes e surpresas românticas, porque uma mulher quer também um “Cara” que seja "pau pra toda obra", do tipo que estará ao seu lado em todos os momentos, não só dando apoio, mas tomando as rédeas da situação quando ela fraquejar. Sim, porque nenhuma mulher (normal) quer um “frouxo”, sem iniciativa, que na hora do “pega-pra-capar” se manda.
O tempos mudaram, as mulheres cada vez mais se igualam aos homens em tudo, mas no fundo só queremos um "porto seguro" para chamar de nosso..."
"Um homem para chamar de seu".
Fonte: em algum lugar bem distante....

Carta aos Suícidas (trechos)

"(...) O eterno recomeço presume que houve um fim. Mas o fim não se anunciou, o fim não findou. O fim fingiu, transformou-se, se extraviou entre nós para seguir. Sentimos isto pelo peso das manhãs que se dividem entre o amor e o tédio, entre o álcool e os poemas, entre as promessas de futuro e o passado sempre refeito. Para nós que somos jovens, a verdade é que a águia está em nosso fígado e a pedra em nosso ombro. E é verdade que há desassossego e há um constrangimento amadurecido se entranhando onde o vento voa, sobre o chão que é comum a todos e fervilha. O sol em nós revira e a escuridão não cede. Os panos estão frios e o que estava embaixo deles veio à tona. (...)E vem a lua brilhar nossas unhas de arranhar amuradas, brilhar nossas pernas e nossos pés cor de estrelas. Não estamos, mesmo assim, mais cansados. Saltamos mais uma vez dentro do olho veloz do descentrado ciclone (...) reinventando nossos caminhos.
E vamos fazendo barulho já que nos cabe sacudir o pó no imenso tapete da história e varrer o charco frio até onde os olhos alcançam. Damos a mão, em meio à noite, aos pesadelos sem reparos e vamos para junto da pilha dolorosa dos remorsos e dos medos e descemos as escadas que nos levam ao ainda mais escuro, mais sem ar, ao mais instantâneo dos desabrigos: ao crítico desespero que desce da lágrima e se levanta para o assombro. São milhões os que não comem. São milhões os que não podem saber. São milhões os que não sabem, de fato o que está se passando enquanto o desencanto é disseminado.
E mesmo por isto, é preciso ordenhar esta pedra oca e suas gêmeas tetas que nos são oferecidas antes e depois do túnel, para que algo fisgue nossa consciência crispada e um arrepio irrigue nossa pele quando formos vistos caminhando (...). É nos seus lábios que tocamos, entre a ferrugem da doce (...) saliva (...); e são seus olhos que fechamos, hirtos e trêmulos, quando tateamos nas paredes do labirinto (...). Assim, tudo em nós indica que já basta. A pedra da ordenha, aquela que dá leite talhado e salobro, é a que carregamos às costas como Sísifo. Tudo o que tocamos, derramamos. E o que derramamos não tem remédio e nem remediado está. Pisoteamos não apenas no que resta - nas migalhas dos nosso sonhos e na utopia tênue - mas na possibilidade também dos nossos restos ainda restarem. Da nossa horda, da nossa tribo, surgiu a pele do cordeiro e o corpo do lobo alucinado. Em sua mirada estão os olhos que nos cabem olhar, para entender que o mito (...) vai transgredir noite à dentro. E vai beber da água proibida. E vai cheirar o céu no espelho. Para encurtar as distâncias enquanto as pedras continuam rolando. É a fome do corpo e do espírito que está nos rondando e a ela se deve uma resposta que todos os calendários rodando não conseguiram dar.
Por conta desta fome de sentido, muitos de nós permitiram que os dias e noites passassem como folhas em branco. Nó na garganta da noite, de braço com o desterro, soluçamos tantas vezes acuados pela dúvida: (...) os cílios cintilantes de nossos amores, irão dominar nossa fera sem sono? Os que perderam sua juventude, já não se colocam dúvidas. Caíram em uma armadilha aconchegante onde não queriam estar e de onde não podem mais sair. O malogro o suplantou. A mediocridade os nivelou. Olhamos para eles, (...) e vemos que, de perto, eles são normais. Foi por isto que (...) cedeu à tentação da pólvora e tudo o que ela impulsiona. (...) recortavam o conformismo e não cederam aos padrões (...) não queria ser transformado em um sonâmbulo e sua estrada recém se anunciava pela poeira (...). A pedra da vida que se ordenha pesou demais sobre seus ombros de Sísifo exaurido.
Todos nós levamos às costas, por nós e por todos os que se despedem e se anunciam, o pó, a caliça, o ferimento caloso da experiência, prosseguida e perseguida, sem sabermos por quanto tempo. Desejamos durar enquanto durar a águia e a pedra e isto é só um desejo. Mas o que é maior ou menor que um desejo? Todos nós carregamos os destinos esquecidos, o lamento dos atordoados pássaros abatidos na madrugada, o ranger de dentes nos manicômios, a sinfonia dos ossos nos cárceres, o choro dos homens e das mulheres. Lutar contra esta herança já é o bastante (...). Já é um sentido, se temos fome.
Quando o poeta russo Sierguéi lessiênin se matou, escreveu com o sangue dos pulsos o poema "Até logo, companheiro". Na última estrofe ele diz: "Adeus amigo, sem mãos nem palavras. /Não faças um sobrolho pensativo/ Se morrer, nesta vida, não é novo/ Tampouco há novidade em estar vivo/." Maiakovsky lhe respondeu dizendo: "É preciso arrancar alegria ao futuro /Nesta vida, morrer não é difícil./ O difícil é a vida e seu oficio." Talvez, para que seja possível prosseguir vivendo, devamos unir os Sísifos (...) lutar por um mundo melhor, compartilhar com tantos outros pulsos o desejo de rolar esta pedra até o cume, para recomeçar tantas vezes quantas forem necessárias, é só uma forma de inventar a vida, de atribuir a ela um sentido radicalmente humano. A todos nós, cabe arrancar a alegria dos dias que virão, tornando-a presente e concreta, como a névoa de um bar, como o orvalho sobre a relva, como a primavera em nosso olhos."
Marcos R. 1998.

sábado, 27 de junho de 2009

NA MARGEM DO RIO PIEDRA...

...eu me sentei e chorei...
Conta a lenda que tudo que cai nas águas deste rio
- as folhas, os insetos, as penas das aves
- se transforma nas pedras do seu leito.
AH, QUEM DERA EU PUDESSE ARRANCAR O CORAÇÃO
DO MEU PEITO E ATIRÁ-LO NA CORRENTEZA,
e então não haveria mais dor, nem saudade,
nem lembranças.
Ás margens do rio Piedra eu me sentei e chorei.
O frio do inverno fez com que eu sentisse as lágrimas
em meu rosto, e elas se misturaram com as aguas geladas
que correm diante de mim. Em algum lugar este rio se
junta com outro, depois com outro, até que
- distante dos meus olhos e do meu coração
- todas estas águas se misturam com o mar.
Que as minhas lágrimas corram assim para bem longe,
para que meu amor nunca saiba que um dia chorei por ele.
Que minhas lágrimas corram para bem longe,
e então eu esquecerei do rio Piedra, do mosteiro,
da igreja nos Pirineus, da bruma,
dos caminhos que percorremos juntos.
Eu esquecerei as estradas, as montanhas,
e os campos de meus sonhos
- sonhos que eram meus, e que eu não conhecia.''
(Paulo Coelho - tem seu valor...rsrs...)

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Prosperidade

Do dia de amanhã nunca se esquece,
Assim como não se esquece e
Não se apaga da memória a alegria ou o descontentamento
Nem tampouco dos momentos vividos a sós
Ou compartilhados ontem.
Muitas dificuldades, certamente, enfrentamos,
Muitas lutas, certamente, vencemos.
Há os momentos repletos de demontrações de afeto,
Momentos de coragem e ousadia,
Como há os momentos cheios de angústia
E cheios de dor.
Para que serve todo aquele ontem?
Prova e comprova a existência!?!
Intensifique-se no hoje,
Mesmo que nem tudo seja excelente, agora.
Para que o amanhã seja belo e não haja o perecer ontém,
Faça valer a permanência bela por muitas eternidades,
Já que é assim que nossa alma prospera.
Bjo no teu coração!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Fue Amor - Fito Paez (Vivo)



Fué Amor
Composição: Fito Paez

Yo podría haberlo hecho mejor
Vos podrías acercarte a mí
Yo intuía que esto mi amor
Se rompía y esto es siempre así
La verdad es que todo fue
Tan extraño, tan extraño al fin
Vos buscando el polvo de dios
Yo bebía para irme de aquí

Cada vez que pienso en vos
Fue amor, fue amor

Todo el mundo me habla de vos
Y no puedo dejar de reír
Lo que hacés y adonde vas
De tu depto siempre a Prix d´ami
No esta bien romper un corazón
Déjà vu de lo que va a venir
Vos querías verme feliz
Yo quería verte revivir.

Cada vez que pienso en vos
Fue amor, fue amor, (bis)
---------------------------------------
Estos días que corren mi amor
Es aquí que nos toco vivir
Enredados en los cables de Entel
De algún sueño vamos a salir
Como siempre vuelvo a ensayar
Y los pibes siempre están ahí
Hay un boomerang en la city mi amor
Todo vuelve como vos decís
Cada vez que pienso en vos
Fue amor, fue amor

quarta-feira, 24 de junho de 2009

E você, sabe amar? rsrsrs...

Ruiva: - Mas ele treme enquanto come!
Loira: - Tolere um pequeno problema neurológico.
Ruiva: - Mas cai comida!
Loira: - Admire a beleza dos arrozinhos esparramados pelo seu bem.
Ruiva: - Mas ele peida enquanto dorme!
Loira: - Aceite suas manifestações involuntário-intestinais.
Ruiva: - Mas fede!
Loira: - É bom saber o que ele come.
Ruiva: - Mas ele chora quando goza!
Loira: - Ora, é um homem sensível.
Ruiva: - Mas isso é bizarro!
Loira: - Faça uso do seu instinto maternal.
Ruiva: - Mas ele diz "bejão" nos e-mails" !
Loira: - Uma despedida com aumentativos tem seu valor.
Ruiva: - Mas é até sem "i"!
Loira: - Aposto que o teclado dele está com problemas.
Ruiva: - Tá, desisto!
Loira: - Você não sabe amar!

terça-feira, 23 de junho de 2009

segunda-feira, 22 de junho de 2009

domingo, 21 de junho de 2009

Dormindo ou Acordado? rsrs...

"Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem garanta que nem todas,
só as de verão.

No fundo isso não tem importância.
O que interessa mesmo não são as noites em si,
são os sonhos.

Sonhos que o homem sonha sempre.
Em todos os lugares,
em todas as épocas do ano,
dormindo ou acordado."
( Shakespeare)

sábado, 20 de junho de 2009

Quixotesca


Utópica e solitária
uma otimista
cheia de conflitos
cheia de dor.

Cega de reflexos alheios
metaforizada pelos espelhos
de lentes abstratas que
não são, mas transportam.

Sem-sentidos
imagens e representações
de si e do outro
dentro e fora, em ambos.

Espelho inverso
espelho da diferença
caos, clareza e temor.

Espelho de anseio externo
mal-entendido e incompreendido
mas que em tudo reflete.
(eu)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Ser feliz...

Escrevo para não gritar...

"São tão simples e tão complexos!...
Se quero ser fêmea
E possuir com paixão,
Quero também ser menina,
Que em braços fortes
Se aloja.

Uma mulher que sonha,
Que deseja,
Que dá de si mesma
Tudo quanto pode,
Tudo quanto deve,
Tudo quanto sabe.

Uma mulher que beija
E se deixa beijar.
Que ama
E se deixa amar.
Que possui
E se abandona.

Quero ser tudo e ser nada,
Ser amada em madrugadas
E acordar aninhada
Em braços firmes,
Protetores e senhores.

Sei que sou contradição
Pois vivo de paixão
E por carinhos incontáveis
Quero me deixar.
São esses
Meus desejos de mulher.

Quem, Senhor,
Poderá assim me amar?!!!"

(Letícia Thompson)

terça-feira, 16 de junho de 2009

Metade



Importante escutar... muitas vezes e sempre!
INTENSAMENTE...

segunda-feira, 15 de junho de 2009

As Ruivas e o Plano de Dominação Mundial (Adaptado)


Antes de começar a falar sobre o Plano de Dominação, vou explicar rapidamente o que é obsessão.

As obsessões são idéias ou imagens que vem à mente da pessoa repetidamente, de maneira insistente e independentemente de sua vontade.
Os temas dessas idéias obsessivas podem ser extremamente variados, entretanto, em grande número de vezes dizem respeito à higiene, contaminação, transmissão de doenças, bactérias, vírus, organização de coisas, catástrofes, desastres, pecados, incertezas, etc. Embora a pessoa ache esses pensamentos incômodos e absurdos, não consegue evitar de pensá-los.
Entendido? Então vamos voltar ao assunto.

As Ruivas são a forma de vida com mais fogo, beleza, inteligência, charme, gentileza e força da face da Terra.
A beleza de uma Ruiva vermelho sangue pode complicar a vida de muitas pessoas. As Ruivas são unidas e muito inteligentes.
Então, CUIDADO, elas dominarão o mundo e NINGUÉM será poupado!
Muito menos VOCÊ!

Quando o mundo estiver dominado e obcecado, as Ruivas irão conquistar outros planetas, construindo assim um Sistema Vermelho.
Para dominar todo o Universo, elas utilizarão raios laser e armadilhas nos olhos, algemas e mordidas por todo corpo, gracejos como bombas atômicas, e ainda outros tipos de armas próprias.

Esteja Pronto!

domingo, 14 de junho de 2009

Dia dos Namorados, Noite dos Solteiros...

"Ver é processo físico. Enxergar é processo mental.
Ouvir é processo físico. Escutar é processo mental.
Compreende a diferença?"
Por maiores que sejam os esforços, será quase impossível me fazer entender e não passarão de meras divagações sobre os verbos e os sentidos.

As primeiras palavras são as mais difíceis e muito mais para tratar de momentos que a grande maioria não viveu.
Não creio existirem dois momentos como o meu. Aliás, como o meu e o de Charlie Brown. (para preservar a identidade do responsável pela magia que sei que até o final deste texto não conseguirei descrever.)

O fato, em si, é que na simplicidade de um menino-homem aprendi a importância da sutil diferença entre "Ver e Enxergar, Ouvir e Escutar".

Não que as desconhecesse, mas esquecia e não sentia. Eram, para esta "Garotinha Ruiva", apenas olhos e ouvidos, visão e audição. Sem coração, sem sangue, sem pele e com pouco sentimento.

Em suma, o que emerge é meu sentimento de admiração pela delicadeza das palavras, ainda mais, esta sendo tão rara no que toca esses "meninos-homens" de hoje.

Charlie Brown, no entanto, não é "um desses". Charlie Brown me deixa "tão emocionada, tão impressionada e com vontade de correr e dar um graaande abraço nele".
Ele sabe disso!

Hoje, o beijo no coração é só para você, Charlie Brown!

sábado, 13 de junho de 2009

Romântica...

















rsrsrs...
Bjos no seu coração!
quem quer que você seja!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Mafaldinha....

só você...
kkkkk...



Bjos no coração de todos!
Enamorados ou não...
(fundamentalmente, enamorem-se pela vida!!!)

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Minduin... Genial... kkkk...



Charlie Brown é Meu Herói!

terça-feira, 9 de junho de 2009

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Eu conheço este outro mundo...



Esse Outro Mundo
Composição: Leoni

Eu conheço esse outro mundo
Onde o tempo não dissolve
Eu te conquisto sempre
Você sempre me comove
Eu conheço esse outro mundo
Essa outra porção do espaço
Onde eu me sinto livre
Aprisionado nos seus braços...

O quanto a gente se beija
Nesses verões emocionais
Nesse vulcão de desejos
Nessas tormentas tropicais
O quanto a gente se beija
Nesses verões emocionais
Nesse vulcão de desejos
Nessas tormentas tropicais

Pouco a pouco eu me transporto
Pela porta do teu corpo
Pra esse outro mundo que eu conheço
Dos deuses de carne e osso
Eu conheço esse outro mundo
Esse eterno mundo em transe
Te amo tanto e tanto e tanto
Não sei mais quem já fui antes...

Tantos outros mundos
Tanto pra nós dois
Entre tantos mundos
Entre e deixe o mundo pra depois...

domingo, 7 de junho de 2009

sábado, 6 de junho de 2009

sexta-feira, 5 de junho de 2009

HOMENAGEM - Carmelina -

A calma e a paz que você merece!

viveu... intensamente,
amou... incondicionalmente,
partiu... serenamente.
como é... como deve ser...
me despeço, saudosa, mas certa do nosso reencontro.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

2 p lá, 2 p cá...

.ooo
.(...).........................."A tua voz me acalmava.
..)..(.ooo..................São dois prá lá,
........(...)..................Dois prá cá..."
.........)..(.................Beijos no seu coração!!!

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Eu sou importante para mim...

As Doze Promessas de Co-DA

1- Reconheço que não estou só e que meus sentimentos de vazio e solidão vão desaparecer.
2- Não sou controlado(a) por meus medos. Eu supero meus medos e ajo com coragem, integridade e dignidade.
3- Experimento uma nova liberdade.
4- Liberto-me da preocupação, da culpa e da lamentação quanto ao meu passado e ao presente. Eu me mantenho o suficientemente atento(a) para não repetir.
5- Experimento um novo amor e uma nova aceitação por mim mesmo(a) e pelos demais. Eu me sinto genuinamente merecedor(a) de ser amado(a).
6- Aprendo a me ver igualmente aos demais. Em minhas novas e renovadas relações são baseadas na igualdade de ambas as partes.
7- Sou capaz de desenvolver e manter relações saudáveis e amorosas. A necessidade de controlar e manipular os outros desaparecerá na medida em que eu aprenda a confiar nas pessoas dignas de confiança.
8- Aprendo que é possível recuperar-me e converter-me numa pessoa mais amorosa, mais íntima e capaz de oferecer apoio apropriado. Eu tenho a escolha de comunicar-me com minha família de uma maneira segura para mim e respeitosa para eles.
9- Reconheço que eu sou uma criação única e preciosa.
10- Não dependo unicamente dos demais para poder me sentir valioso(a).
11- Tenho a confiança de que meu Poder Superior me guia. E venho a acreditar em minhas próprias capacidades.
12- Experimento gradualmente em minha vida SERENIDADE, FORÇA INTERIOR e CRESCIMENTO ESPIRITUAL.

terça-feira, 2 de junho de 2009

Bandolins...



Bandolins
Composição: Oswaldo Montenegro

Como fosse um par que
Nessa valsa triste
Se desenvolvesse
Ao som dos Bandolins...

E como não?
E por que não dizer
Que o mundo respirava mais
Se ela apertava assim...

Seu colo como
Se não fosse um tempo
Em que já fosse impróprio
Se dançar assim
Ela teimou e enfrentou
O mundo
Se rodopiando ao som
Dos bandolins...

Como fosse um lar
Seu corpo a valsa triste
Iluminava e a noite
Caminhava assim
E como um par
O vento e a madrugada
Iluminavam a fada
Do meu botequim...

Valsando como valsa
Uma criança
Que entra na roda
A noite tá no fim
Ela valsando
Só na madrugada
Se julgando amada
Ao som dos Bandolins...

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Todos Estão Surdos



Todos Estão Surdos
Composição: Roberto Carlos / Erasmo Carlos

Desde o começo do mundo
Que o homem sonha com a paz
Ela está dentro dele mesmo
Ele tem a paz e não sabe
É só fechar os olhos e olhar pra dentro de si mesmo

Tanta gente se esqueceu
Que a verdade não mudou
Quando a paz foi ensinada
Pouca gente escutou
Meu Amigo volte logo
Venha ensinar meu povo
O amor é importante
Vem dizer tudo de novo

Outro dia, um cabeludo falou:
"Não importam os motivos da guerra
A paz ainda é mais importante que eles."
Esta frase vive nos cabelos encaracolados
Das cucas maravilhosas
Mas se perdeu no labirinto
Dos pensamentos poluídos pela falta de amor.
Muita gente não ouviu porque não quis ouvir
Eles estão surdos!

Tanta gente se esqueceu
Que o amor só traz o bem
Que a covardia é surda
E só ouve o que convém
Mas meu Amigo volte logo
Vem olhar pelo meu povo
O amor é importante
Vem dizer tudo de novo

Um dia o ar se encheu de amor
E em todo o seu esplendor as vozes cantaram.
Seu canto ecoou pelos campos
Subiu as montanhas e chegou ao universo
E uma estrela brilhou mostrando o caminho
“Glória a Deus nas alturas
E paz na Terra aos homens de boa vontade

Tanta gente se afastou
Do caminho que é de luz
Pouca gente se lembrou
Da mensagem que há na cruz
Meu Amigo volte logo
Venha ensinar meu povo
Que o amor é importante
Vem dizer tudo de novo.